www.flumignano.com
INSTITUTO FLUMIGNANO DE MEDICINA

logoifm.gif (2913 bytes)
Registrado no Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro sob o nº 52.1063219

OS FUNDAMENTOS DA DIETA DO DIABÉTICO TIPO 2  

Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan - crm 5245054-3
izidoro@flumignano.com

Para se entender a dieta do diabético tipo 2 é preciso compreender as alterações que a doença acarreta no organismo. Trata-se fundamentalmente de uma debilidade do hormônio insulina em processar a glicose dos alimentos. Portanto, sempre que ocorrer uma “sobrecarga” de glicose no sangue, freqüentemente as custas dos alimentos, ocorrerá um excesso de sua concentração no sangue, até que, lentamente, a insulina existente possa reduzi-la aos níveis normais. No organismo normal, a resposta insulínica é proporcional a sobrecarga da glicose. No diabetes tipo 2, a resposta insulínica é muito lenta, acarretando uma hiperglicemia após a alimentação normal. Com esta explicação, torna-se fácil entender, que na dieta do diabético tipo 2, o mais importante é evitar a sobrecarga da glicose proveniente dos alimentos. Os alimentos contém 3 tipos de nutrientes básicos : glicídios, proteínas e gorduras.  Os dois últimos não afetam o nível da glicemia, podendo, portanto, neste contexto, ser ingeridos com liberalidade, salvo restrições médicas particulares. No entanto, os alimentos ricos em glicídios devem ser ingeridos com moderação, na pertinência da glicemia. Os alimentos ricos em glicídios são aqueles que contém amido ou glicoses em geral. Arroz, batata, trigo, feijões, legumes, massas, doces etc...são ricos em amido e se transformam em glicose no processo digestivo, assim como a sacarose(açúcar branco), frutoses(açúcar das frutas) e lactoses(açúcares do leite). Portanto, os glicídios devem ser ingeridos com o controle da inteligência, e não por livre-vontade. Se a glicemia estiver baixa, deve-se ingerir mais destes tipos de alimentos; se estiver normal, a ingesta deve ser moderada, e se estiver elevada, deve ser restringida. Deste entendimento, ainda é importante analisar a velocidade de absorção intestinal destes tipos principais de glicídios. O amido tem o tempo de absorção intestinal mais lento do que a da sacarose, frutose ou lactose. Estes últimos tem absorção rápida, ou seja, se concentram no sangue em poucos minutos após de ingeridos, sendo preferidas para as correções hipoglicêmicas e evitadas nas refeições normais do cotidiano, pois elevam a glicemia muito rapidamente. Enquanto isso, os amidos, que são os glicídios de absorção lenta, devem ser preferidos nas refeições normais do cotidiano. Com esta explicação ficou claro de que os glicídios devem ser ingeridos pelos diabéticos tipo 2 sempre de maneira fracionada e distribuídas pelas  diversas refeições do dia para não elevar glicemia em demasia. Uma vez entendido estes fundamentos, compreende-se de que o diabético pode comer de tudo, apenas evitando os glicídios de absorção rápida,  preferindo os de absorção lenta, sempre devidamente fracionados nas diversas refeições do dia. O diabético tipo 2 deve comer várias vezes por dia sempre em pequenas porções do que poucas vezes com muita quantidade de alimentos. O objetivo deste estilo de comportamento alimentar é proporcionar ao diabético tipo 2 uma alimentação equilibrada, sem elevações exageradas da glicemia.

COMENTE E PERGUNTE
 SOBRE ESTE ASSUNTO

Escreva seu nome inteiro,
telefones para contato e cidade onde mora.

Seu e-mail para resposta

COMENTE e PERGUNTE

Obrigado e aguarde a resposta.
Apreciamos sua participação em nosso site.

 

Assuntos de interesses relacionados :

A Dieta do Shake Herbalife
A Dieta do Ácido Úrico
Dieta do Colesterol
 Conselhos Básicos para Emagrecer

Diabetes e Gravidez

Dr. Izidoro de H. Flumignan, crm 52.45054-3, atualizado em 29/01/2010  ©

PÁGINA INICIAL | EQUIPE MÉDICA | BIBLIOTECA VIRTUALAVISO ÉTICO  | EDUCAÇÃO EM SAÚDE FLASH
   NÚCLEO DE ATENDIMENTO AO DIABÉTICO